O Rei ROBERTO CARLOS e seu fantástico disco de 1971.

Os anos 60 foram importantíssimos na carreira de Roberto Carlos, foi nesse período que ele atingiu imensa fama e popularidade, cantou bossa nova, samba-canção, estrelou programa de TV e iniciou o movimento rock no Brasil, que daria origem à Jovem Guarda.

Roberto foi se consolidando como grande artista popular e lançava anualmente um disco, mas em 1971, já com vários discos gravados, ele lançaria um álbum que seria um divisor de águas na sua carreira, “Roberto Carlos”, o seu décimo terceiro álbum de estúdio e aquele que mostrou um lado que seria sua marca registrada até hoje na carreira, o de cantor romântico e isso aumentou ainda mais a sua adoração junto aos brasileiros.

“Roberto Carlos” tem 12 faixas em aproximadamente 43 minutos e mostrou porque Roberto seria eternizado como Rei da MPB, pois além do seu lado romântico, ele mostrou que sabia cantar maravilhosamente bem vários estilos, tanto que nesse disco há canções funk, soul e gospel.

Além do romantismo, as letras também falam de religião, melancolia, traumas, solidariedade e claro, o amor. Para esse trabalho, Roberto contou com a seguinte banda: Rick Ferreira (Guitarra), Paulo César Barros (Baixo), Lafayette (Órgão), Altamiro Castilho (Flauta).

As canções são em sua maioria da dupla Roberto Carlos e Erasmo Carlos, mas o Rei também gravou composições de outros artistas.

Roberto Carlos
FOTO: Wikipedia.

FAIXAS:

1. “Detalhes” (Roberto Carlos / Erasmo Carlos) – 05:03
2. “Como Dois e Dois” (Caetano Veloso) – 03:23
3. “A Namorada” (Maurício Duboc / Carlos Colla) – 03:13
4. “Você Não Sabe o Que Vai Perder” (Renato Barros) – 02:57
5. “Traumas” (Roberto / Erasmo) – 04:08
6. “Eu Só Tenho Um Caminho” (Getúlio Cortes) – 02:39
7. “Todos Estão Surdos” (Roberto / Erasmo) – 04:17
8. “Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos” (Roberto / Erasmo) – 03:47
9. “Se Eu Partir” (Fred Jorge) – 03:41
10. “I Love You” (Roberto / Erasmo) – 02:39
11. “De Tanto Amor” (Roberto / Erasmo) – 03:24
12. “Amada Amante” (Roberto / Erasmo) – 03:58

Esse disco também tornou-se um clássico devido aos grandes sucessos que ele teve e alguns se tornaram os maiores de toda a carreira de Roberto Carlos. Das doze faixas, pelo menos umas cinco delas são muito conhecidas do grande público, a começar pela primeira, “Detalhes”, que já mostra todo o romantismo que Roberto traria no álbum, sendo esta a música mais conhecida do disco e cuja letra fala sobre um relacionamento que chegou ao fim e que o homem fala que a mulher nunca irá lhe esquecer, mesmo ela já com outra pessoa. É um mega sucesso do Rei e uma das mais queridas dos seus fãs, sempre tocada em seus shows até hoje.

“Como Dois e Dois” é uma canção de Caetano Veloso que Roberto regravou em homenagem ao amigo, que compôs a canção como forma de protesto à ditadura militar que havia no país naquela época. Roberto foi gravar a canção nos EUA, para evitar qualquer tipo de problema com a censura brasileira e propositalmente escolheu o Blues, pois achou esse o ritmo ideal e que tinha toda a sonoridade adequada para a importância da música. Roberto quis expressar nessa canção, a falta de liberdade comum naqueles tempos de ditadura e procurou colocar todos os detalhes possíveis que dessem à música a importância que ela realmente merecia. O próprio Caetano só veio a gravar sua própria canção apenas em 2007.

“Todos Estão Surdos” é outra pérola do álbum, que mostra o lado gospel do Rei, uma melodia linda e letra maravilhosa para falar de Jesus Cristo, sem sequer o citar nominalmente durante toda a canção. Em 1970 ele já havia gravado “Jesus Cristo” que fez e faz muito sucesso até hoje, dando início às canções religiosas presentes na sua carreira e que continuou com “Todos Estão Surdos”.

O poeta CAZUZA e seu best-seller “Ideologia” (1988)

MPB com ALCEU VALENÇA e seu grande clássico, “Cavalo de Pau” (1982).

“Reckless” e o romântico BRYAN ADAMS.

“Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos” é outro grande sucesso de Roberto que a compôs em homenagem à Caetano Veloso, que se encontrava exilado em Londres, após ser deportado em 1969. Foi a forma que ele encontrou para se solidarizar com Caetano, que anos mais tarde regravaria essa canção. Um clássico na voz dos dois gênios da MPB.

Fechando o álbum temos “Amada Amante” outro dos maiores clássicos da carreira de Roberto Carlos presente nesse disco. O amor novamente dando as caras numa canção, noutra bela composição dos amigos de fé, Roberto e Erasmo. Outras canções de destaque são: “A Namorada”, “Traumas” e “De Tanto Amor”, as três falando do que Roberto Carlos sabe falar como poucos em suas canções, os relacionamentos amorosos.

55 ANOS DA JOVEM GUARDA

Esse trabalho é um dos melhores de Roberto, gerou inúmeros sucessos e grandes clássicos da sua gloriosa carreira, foi daí em diante que ele mudaria seu público, saindo de canções mais voltadas aos jovens e indo para o público mais adulto, porém, o sucesso foi tão grande que ele conquistou tanto os jovens, quanto os adultos, virou uma unanimidade nacional e definitivamente se tornou Rei da Música Popular Brasileira. Foi o primeiro disco dele a ultrapassar a marca de 1 milhão de cópias e com o passar dos anos ele se tornaria o artista que mais venderia discos no Brasil, passando dos 120 milhões de cópias.

Numa atual MPB de baixa qualidade, vale muito a pena ouvir esse clássico e saber como se faz música de verdade, como se interpreta uma canção, o nível altíssimo das composições, arranjos, melodias e tudo isso com toda a categoria daquele que é sem dúvidas o maior cantor brasileiro de todos os tempos, não é a toa que Roberto Carlos é chamado de Rei, basta ouvir o disco todo que as pessoas vão entender. RECOMENDO!

3 thoughts on “O Rei ROBERTO CARLOS e seu fantástico disco de 1971.

  • em
    Permalink

    Este não é dos meus discos preferidos do Rei, mas o considero como um dos melhores, apesar de não gostar de algumas músicas nele contidas. “Detalhes” e “Todos Estão Surdos” são as que eu menos gosto deste álbum de 1971. Destaco “Amada Amante” e “Como Dois e Dois” composta pelo (na minha opinião) chatíssimo Caetano Veloso. Outra coisa: o melhor disco de toda a trajetória de Roberto Carlos pra mim é o de 1977, que possui grandes clássicos como “Amigo”, “Cavalgada”, “Outra Vez”, “Falando Sério”, “Não se Esqueça de Mim”, “Sinto Muito minha Amiga”, “Solamente una Vez” (super conhecida, cantada em espanhol), “Jovens Tardes de Domingo”, dentre outros. Esse eu recomendo!

    Resposta
    • em
      Permalink

      O de 77 também é excelente! Aliás, na década de 70, pra mim, foi o apogeu do Rei.

      Resposta
  • em
    Permalink

    Com certeza, meu caro… O Rei para mim é de 1971 á 1998, antes dele se tornar a caricatura pálida de si mesmo que se tornou hoje, a partir de 2000… Lamentável!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *