“Fruto Proibido” (1975), a obra-prima da Rainha do Rock Brasileiro, RITA LEE.

O ano de 1975 foi especial e muito importante para a carreira de Rita Lee. Ela já vinha de três álbuns em carreira solo após sua conturbada saída dos Mutantes e tinha uma pressão muito grande para que o próximo álbum desse certo.

Ao lado da banda Tutti Frutti, que já havia gravado com ela o disco anterior “Atrás do Porto Tem Uma Cidade” (1974), Rita Lee lançaria aquele que seria considerado sua obra-prima e um dos álbuns mais importantes da história do rock nacional e por tabela da MPB: o fantástico “Fruto Proibido”.

“Fruto Proibido” dá a Rita Lee o título de Rainha do Rock

Graças ao grande sucesso do álbum, “Fruto Proibido” renderia à Rita Lee o título de “Rainha do Rock Brasileiro”. Para sempre ela ficaria marcada como uma das mulheres mais influentes do Brasil, pois em tempos de ditadura e um extremo machismo, Rita Lee conseguiu provar que tinha muito talento e influenciou diversas mulheres que vieram depois dela.

Nesse trabalho Rita Lee teve a colaboração de um grande nome em matéria de letras e composições: o mago Paulo Coelho, célebre pela parceria com o “Pai do Rock Brasileiro”, Raul Seixas.

Rock Brasil com “Cabeça Dinossauro” (1986), uma obra prima dos TITÃS!

O Papa é Pop! ENGENHEIROS DO HAWAII e o Rock Nacional.

Disco de Rita Lee tem canções com letras feministas

São 09 faixas em aproximadamente 37 minutos, cheias de letras marcantes que falam sobre vários temas, que vão desde relacionamentos, amor, feminismo, libertação, Rock N’ Roll e a destacar algumas bem autobiográficas, que marcariam sua carreira.

Em “Fruto Proibido” a formação da banda foi: Rita Lee (Vocais, Violão e Sintetizador); Luis Sérgio Carlini (Guitarra, Violão e Gaita); Lee Marcucci (Baixo); Franklin Paolillo (Bateria) e Guilherme Bueno (Piano), além da colaboração de Manito, músico da banda Os Incríveis, tocando flauta.

FAIXAS:

  1. “Dançar Pra Não Dançar” (Rita Lee) – 4:13
  2. “Agora Só Falta Você” (Rita Lee / Luis Carlini) – 3:25
  3. “Cartão Postal” (Rita Lee / Paulo Coelho) – 3:25
  4. “Fruto Proibido” (Rita Lee) – 2:04
  5. “Esse Tal de Roque Enrow” (Rita Lee / Paulo Coelho) – 3:53
  6. “O Toque” (Rita Lee, Paulo Coelho) – 5:20
  7. “Pirataria” (Lee Marcucci / Rita Lee) – 4:29
  8. “Luz Del Fuego” (Rita Lee) – 4:42
  9. “Ovelha Negra” (Rita Lee) – 5:39

“Agora Só Falta Você” está entre as mais conhecidas

Desse álbum saíram alguns dos maiores sucessos da carreira de Rita Lee e vamos enfatizar aqueles mais importantes e conhecidos pelo público. A primeira faixa é a mais dançante do disco: “Dançar Pra Não Dançar”.

A música conta com uma leveza no começo da canção. Logo depois muda para o rock e mostra que a banda Tutti Frutti não estava pra brincadeira. Luis Carlini muito bem na guitarra, com belos riffs e a bateria marcada de Franklin Paollilo dão o tom da canção.

Logo após viria um dos maiores clássicos da carreira de Rita Lee: “Agora Só Falta Você”, cuja letra seria sobre o relacionamento de Rita com seu antigo marido, Arnaldo Baptista, que conheceu ainda nos tempos de Mutantes.

“Agora Só Falta Você” também é considerada um hino feminista. A sua letra fala das mudanças que Rita Lee passava naquela época e mostrava que ela poderia sim ter seu espaço e lutar por aquilo que desejava ter. Um verdadeiro clássico e uma canção muito emblemática, uma das várias que Rita Lee teria ao longo da carreira.

Rita Lee fala de si mesma em “Esse Tal de Roque Enrow”

“Esse Tal de Roque Enrow” é a visão de uma mãe que não sabe o que fazer com a sua filha que conheceu um tal “Roque Enrow” e estava totalmente rebelde depois disso.

É a própria Rita Lee nessa canção, com uma letra bem autobiográfica que juntada ao excepcional Luis Carlini, com seus solos e riffs de guitarra, fazem dela um clássico atemporal e uma das mais conhecidas da cantora.

Dora Vivacqua inspirou o feminismo de Rita Lee

“Luz Del Fuego” é uma homenagem de Rita à dançarina, naturista, atriz, escritora e feminista brasileira Dora Vivacqua. Ela adotou o apelido “Luz Del Fuego” e foi um símbolo do feminismo que lutou pela liberdade das mulheres no Brasil dos anos 40 a 50.

Dora Vivacqua foi vítima de forte repressão por parte da sociedade em várias cidades. Ela acabaria assassinada em sua própria casa em 1967, aos 50 anos, no Rio de Janeiro.

Rita Lee iniciou a carreira um ano antes da morte de Luz Del Fuego e se identificou muito com a história da artista e as canções sobre o feminismo se tornariam frequentes na carreira de dela, principalmente entre os anos 70 e 80.

“Ovelha Negra” retrata a própria Rita Lee

A canção que fecha o disco se tornou a de maior sucesso da carreira de Rita Lee e tem uma história toda particular. “Ovelha Negra”, que talvez seja a mais autobiográfica das canções da Rainha do Rock Brasileiro, foi aquela que projetou definitivamente Rita Lee ao estrelato na carreira solo.

“Ovelha Negra” mostrava que ela fazia música tão boa quanto os homens, pois o cenário naqueles tempos era extremamente machista. Rita Lee sofreu muito com isso, inclusiva na própria banda, já que a guitarrista e amiga de Rita, Lúcia Turnbull, foi excluída da gravação do disco. O restante da banda não achava bom que uma mulher tocasse guitarra, mesmo com a coragem de Rita Lee, tinha muito preconceito e machismo.

Guitarra e rock n’ roll também são coisa de mulher

Nessa canção há a mistura da frustração por ter sido expulsa dos Mutantes. Eles a trataram como uma ovelha negra e alegaram que ela não tinha o talento devido e nem sabia tocar bem instrumentos. A canção tem o sentimento de quem teve que se virar sozinha, sem a ajuda da família, e que mesmo assim deu a volta por cima e venceu na vida.

Outro ponto importante na canção é o célebre solo de guitarra no final feito por Luis Carlini, que se tornaria um dos maiores e mais conhecidos solos de guitarra da história da MPB e que quase ficou de fora da música.

Carlini fala que só depois de muita insistência com o produtor Andy Mills ele conseguiu tocá-lo. A gravação que está na canção é a mesma que foi tocada ao produtor. Por sinal, o solo gravado naquele mesmo momento foi colocado sem cortes no álbum. Foi de primeira mesmo. É uma canção forte e das maiores da história do rock nacional e da MPB.

“Fruto Proibido” vence as críticas e entra na lista dos melhores

A prova que “Fruto Proibido” é um álbum especial está quando se vê o legado que ele deixou. Foi considerado em 2007 pela revista Rolling Stone Brasil o 16º melhor disco brasileiro de todos os tempos.

A primeira vendagem do disco foi de 200 mil cópias, um recorde à época. Ao longo do tempo chegou-se a quase um milhão de cópias. Foi um marco na luta contra o machismo reinante nos anos 70.

Rita Lee mostrava que fazia música de qualidade, com letras inteligentes, diretas e às vezes com uma pitada de ironia em algumas delas, sem perder a categoria que lhe levariam ao status de Rainha do Rock Brasileiro.

Apesar de críticas contra o disco, como a famosa do jornalista Maurício Kubrusly, que trabalhava no Jornal da Tarde (SP), no qual o mesmo disse:

“Dançar para não Dançar” e “Ovelha Negra” mereciam elogios. Ainda é pouco. Seria relaxamento demais se contentar com esta bateria escandalosa, com a desordem ruidosa da maioria dos acompanhamentos, com a falta de expressividade das vocalizações. (…) Uma produção adequada para os fãs do gênero hippie de butique, meio louquinha e acreditando que o rock vai ou pode mudar qualquer coisa”. 

Rita Lee é a cantora que mais vendeu discos no Brasil

Não imaginava ele que estaria completamente enganado pouco tempo depois. Rita Lee é até hoje a mulher que mais vendeu discos na história do Brasil. Foram mais de 55 milhões de álbuns durante sua gloriosa carreira. Ela se aposentou dos palcos em 2012, mas não da música, como ela mesma disse.

Esse trabalho foi feito num tempo no qual os artistas tinham qualidade musical, coisa que atualmente está em falta. “Fruto Proibido” deveria servir como uma fonte de inspiração, principalmente para o Rock, que está meio devagar.

Mas “Esse tal de Roque Enrow” nunca deixará de existir, graças a álbuns como esse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *