A realeza chegou com “The Game” e o lendário QUEEN!

A década de 80 estava no seu início e o Queen era a maior banda do mundo naquele momento, porém, vinha de um álbum não tão bem sucedido quantos os seus anteriores e para esse novo álbum queria uma sonoridade diferente, o que acabou acontecendo e o resultado foi um álbum mais pop que o anterior.

Então em 30.06.1980, Freddie Mercury, Brian May, Roger Taylor e John Deacon, lançavam seu oitavo álbum de estúdio, chamado “The Game” e com ele um Queen com novidades no seu som, ficando cada vez mais próximo das rádios.

Foi a primeira experiência do Queen com sintetizadores e a própria banda escreveu no encarte do seu primeiro álbum: “Sem Sintetizadores!”, ideia de May por entender que os fãs iriam confundir os efeitos criados por ele na guitarra com sintetizadores. Aí a prova que as coisas podem mudar com o tempo, assim foi com o Queen.

“The Game” tem 10 faixas em aproximadamente 36 minutos, com muito Rock N’ Roll, Pop e Baladas. As letras falam de amor, relacionamentos, aventuras, humor negro e família.

A formação lendária da banda era: Freddie Mercury (Vocais, piano, teclados e violão), Brian May (Guitarra, violão, backing vocal e Teclados), Roger Taylor (Bateria, backing vocal e teclados) e John Deacon (Baixo e teclados).

As faixas foram compostas pelos integrantes do Queen.

Queen The Game

Faixas:

  1. “Play The Game” (Freddie Mercury) – 3:30
  2. “Dragon Attack” (Brian May) – 4:18
  3. “Another One Bites The Dust” (John Deacon) – 3:35
  4. “Need Your Loving Tonight” (Deacon) – 2:50
  5. “Crazy Little Thing Called Love” (Mercury) – 2:44
  6. “Rock It (Prime Jive)” – (Roger Taylor) – 4:33
  7. “Don’t Try Suicide” (Mercury) – 3:52
  8. “Sail Away Sweet Sister” (May) – 3:33
  9. “Coming Soon” (Taylor) – 2:51
  10. “Save Me” (May) – 3:50

Gravadora: EMI
Produção: Queen / Reinhold Mack
Duração: 35:40

Falando dos grandes sucessos do disco, a primeira faixa se tornaria um dos grandes clássicos do Queen, “Play The Game”, que começa já com o uso de sintetizador e continua na famosa e bela combinação de Freddie Mercury com o piano. Brian May e Roger Taylor também fazem um belo backing vocal. Uma balada bem ao estilo Queen, misturando uma doce melodia, a voz espetacular de Freddie, um maravilhoso solo de guitarra de May, o estilo único de tocar bateria de Taylor e a linha de baixo inconfundível de Deacon.

O videoclipe dessa música tem algumas curiosidades: É nesse vídeo que Mercury aparece pela primeira vez com um visual que iria lhe marcar pelo resto da vida, o uso do famoso bigode!. Quando os fãs souberam, não gostaram e em vários shows dali em diante, eles jogavam lâminas no palco para Freddie raspar o bigode, foi uma surpresa geral e demorou um pouco para os fãs se acostumarem.

Rock com AEROSMITH e seu aclamado “Get a Grip”.

DIRE STRAITS com o emblemático “Brothers In Arms” (1985).

Outra curiosidade é que Brian May aparece com uma guitarra Fender Stratocaster e não com a Red Special, sua guitarra própria e marca registrada. Nesse clipe, Freddie aparece usando uma camisa do filme Flash Gordon, cuja trilha sonora foi feita toda pelo Queen em 1980. Um clássico maravilhoso da banda.

“Another One Bites The Dust” é uma canção de John Deacon, que durante a gravação desse álbum foi chamado por Freddie Mercury de avestruz, justamente por ser muito calado e não estar contribuindo muito até aquele momento nas composições, mal imaginava ele o que estaria por vir.

Michael Jackson, que era um grande fã do Queen, foi visitá-los e quando escutou a música sugeriu que ela fosse lançada como single, ele teve na hora a visão de sucesso e teve razão, pois ela se tornou a canção de maior sucesso da banda nos EUA em todos os tempos.

Famosa pela linha de baixo feita por Deacon, ela foi inspirada na banda de Disco Music, Chic, nos anos 70 e Bernard Edwards, baixista dessa banda, falou que Deacon passou um tempo em estúdio com o Chic e nisso nasceu a ideia da canção.

Não há sintetizadores nessa música, os efeitos que lá estão, foram todos feitos pelos músicos do Queen, usando piano, guitarra e bateria. É uma das canções do Queen que mais teve regravações, sendo uma delas bem famosa feita pelo rapper Wyclef Jean em 1998. A linha de baixo feita por Deacon é uma das mais sampleadas de todos os tempos.

“Crazy Little Thing Called Love” surgiu durante um banho de Mercury e é uma homenagem a Elvis Presley. Um rockabilly estilo anos 50 e 60, com Mercury tocando guitarra na sua introdução, sendo que essa foi a primeira vez que ele tocava guitarra com a banda, já que ele nunca foi um exímio guitarrista e a letra foi escrita em apenas 10 minutos. Um grande sucesso do Queen e que já foi cantada por diversos artistas desde então.

“Save Me” é de autoria do guitarrista Brian May, que escreveu a letra após o término de casamento de um amigo. É uma balada lindíssima, com arranjos maravilhosos e mistura todos os elementos que levaram o Queen ao sucesso, a voz única, maravilhosa e marcante de Freddie, com seu clássico piano sempre acompanhando, a guitarra inconfundível de May e um maravilhoso solo de guitarra, a pegada bem compassada na bateria de Taylor e a linha baixo harmônica de Deacon.

É uma canção que mostra porque Freddie Mercury é considerado um dos maiores vocalistas de todos os tempos, é incrível como ele alterna o timbre de voz de forma espetacular, sendo doce e intenso ao mesmo tempo. Que alcance vocal ele tinha. Fantástica canção!

Outras canções também merecem destaque nesse disco, como: “Dragon Attack”, “Sail Away Sweet Sister” e “Need Your Loving Tonight”.

Posso afirmar que “The Game” é um marco para o Queen, pois dali em diante entraria de cabeça no Pop dos anos 80 e muitos fãs não iriam gostar dessa sonoridade, porém, ganharia também muitos outros fãs.

É um disco que além da mudança no som da banda, mostra mudanças no visual do seu líder e também no seu comportamento, que devido ao uso cada vez maior de drogas e seus complicados relacionamentos amorosos, acabaria afetando diretamente os álbuns seguintes.

Foi com esse álbum que o Queen conseguiria o tão almejado sucesso nos EUA, pois “The Game” foi o único álbum que conseguiu ser primeiro lugar nas paradas americanas e foi o álbum de maior vendagem da banda por lá.

Para quem gosta de música de qualidade, nada melhor que ouvir esse belo álbum de uma das melhores e mais populares bandas de todos os tempos, além de relembrar aquele que influenciou inúmeros vocalistas que vieram depois dele e que segundo Sir. Paul McCartney, foi chamado de “Rei Mercury”, a lenda Farrokh Bulsara, Freddie Mercury.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *