“O Rappa Mundi” (1996), obra-prima de O RAPPA!

Os anos 90 foram muito importantes para o Rock Brasileiro. Surgiram grandes bandas pelo país e uma delas se destacou bastante. Suas letras carregadas de forte cunho social, misturadas a vários ritmos como rock, rap, reggae e MPB, além da grande presença de palco e atitude de seu vocalista, Marcelo Falcão. Estou falando aqui de O RAPPA.

O “Rappa Mundi” é um dos melhores discos do rock nacional

Em 1996, o Rappa lançava “O Rappa Mundi”, seu segundo álbum de estúdio e um de seus mais aclamados trabalhos de crítica e público. Dali em diante, a banda entrava na rota do sucesso e marcaria definitivamente seu espaço na música nacional. Esse trabalho é, sem dúvidas, um dos melhores discos da década de 90 e um dos melhores do rock nacional.

“O Rappa Mundi” tem 56 minutos, 13 faixas e praticamente a metade delas tocou muito nas rádios brasileiras. São letras carregadas de temas voltados ao cotidiano das grandes cidades, que vão desde o tráfico de drogas, violência, pobreza, preconceitos, sonhos, futebol, mentiras e desigualdade social.

Marcelo D2 tem participação especial em “Rappa Mundi”

A formação da banda nesse álbum era a seguinte: Marcelo Falcão (Vocais, backing vocals e guitarra base), Marcelo Yuka (Bateria e letras), Xandão (Guitarra principal), Marcelo Lobato (Teclados, sampler e backing vocals) e Lauro Farias (Baixo e backing vocals). Nesse trabalho tem-se a participação especial de Marcelo D2 (Planet Hemp). Algumas das canções foram gravadas pelo Rappa e outras são regravações.

Rappa Mundi

FAIXAS DE O RAPPA MUNDI:

  1. “A Feira” (Marcelo Yuka) – 3:59
  2. “Miséria S.A. (Pedro Luís) – 4:01
  3. “Vapor Barato” (Waly Salomão / Jards Macalé) – 4:23
  4. “Ilê Ayê” (Paulinho Camafeu) – 3:50
  5. “Hey Joe” (Bill Roberts, versão: Ivo Meirelles e Marcelo Yuka) – 4:25
  6. “Pescador de Ilusões” (Yuka) – 4:29
  7. “Uma Ajuda” (Yuka) – 4:29
  8. “Eu Quero Ver Gol” (Marcelo Falcão / Xandão) – 3:41
  9. “Eu Não Sei Mentir Direito” (Yuka) – 4:03
  10. “O Homem Bomba” (Yuka) – 3:14
  11. “Tumulto” (Yuka) – 3:14
  12. “Lei da Sobrevivência (Palha de Cana)” (Falcão) – 3:05
  13. “Óia O Rapa” (Lenine / Sérgio Natureza) – 6:00

“A Feira” é uma das músicas mais conhecidas do Rappa

Das 13 faixas do álbum, pelo menos seis delas tocaram muito nas rádios e catapultaram O Rappa para o gosto popular. O álbum abre com a fantástica “A Feira”, um dos maiores sucessos do disco e da carreira da banda.

“A Feira” fala claramente do tráfico de drogas, que os clientes chamam de “Erva”, e que os mesmos têm que fugir do “Rappa”, que seria a polícia, pelo fato de não ser legalizada a venda. Marcelo Yuka fala dos tipos que vão atrás da “erva”, desde madames, atrizes, mauricinhos e malucos. A canção caiu na boca do povo.

Já em “Miséria S.A.” é clara a referência às pessoas que pedem esmolas nos ônibus ou trens pelo Brasil afora. É exatamente o mesmo discurso que é usado por elas e mostra bem como há a desigualdade social dentro do nosso país. Mais um grande sucesso da banda e muito executada nas rádios.

Música gravada por Gal Costa em 1971 é regravada pelo Rappa

“Vapor Barato” é uma regravação feita da canção que fez muito sucesso na voz de Gal Costa em 1971 e que novamente fez muito sucesso na voz do Rappa. A canção que fala de situações vividas na época da ditadura, como a repressão fortíssima, teve essa resposta por parte dos compositores Waly e Macalé, que deram à Gal Costa um de seus maiores sucessos.

A interpretação de Marcelo Falcão ganha muito destaque nessa versão e mostra que as grandes canções sempre serão sucesso, sejam em tempos ou vozes diferentes. Em 1998 a MTV Brasil indicou “Vapor Barato” a duas categorias no MTV Vídeo Music Brasil (Escolha da Audiência e Democlipe), mas não ganhou em nenhuma das categorias.

Rappa também canta versão de clássico de Jimi Hendrix

Um dos maiores sucessos do disco é sem dúvida a versão de “Hey Joe”, grande clássico de Jimi Hendrix, que ganhou uma versão espetacular da banda e contou com um convidado especial para essa gravação, Marcelo D2, vocalista e líder do Planet Hemp. Essa canção foi responsável por inserir o Rappa no contexto musical brasileiro.

“Hey Joe” tem uma letra pesada. Relata a conversa de dois amigos sobre a vida difícil na comunidade, onde eles tem constantes problemas com a polícia, vivem sob o fogo cruzado, acabam se tornando soldados do tráfico e que nem todas as pessoas daquele local são traficantes ou tem vida pregressa ligada ao tráfico de drogas. A se destacar além da bela adaptação da letra e do dueto de Falcão e D2, a guitarra de Xandão, que deu uma base muito sólida na canção. Um clássico!.

Marcelo Yuka deixou sua marca no hit “Pescador de Ilusões”

“Pescador de Ilusões” é outro hit do álbum. Mais uma que caiu nas graças do público e mais uma composição brilhante de Yuka. Com sua letra que fala da vida, de como este é um processo solitário e de que podemos encontrar as respostas nas pequenas coisas. 

Tem gente que fala que Yuka se referia ao sonho de fazer sucesso, de ter seu trabalho reconhecido nacionalmente. Enfim, ele conseguiu o sucesso almejado que tanto buscou. No lançamento do álbum e no Acústico MTV (2005), essa canção teve muito sucesso.

Para fechar os grandes hits do disco, temos “Eu Quero Ver Gol”. A letra fala da paixão de Marcelo Falcão por futebol e que pelo visto seria a paixão de futebol de um carioca, já que ele fala de futebol, praia e farra, coisas que os cariocas amam. Nada mais do que a expressão de um fanático por bola que quer sempre ver seu time ganhar e quer ver gol. Além das canções citadas acima, destacamos “Homem Bomba” e “Lei da Sobrevivência”.

Yuka e Falcão entre os melhores compositores de sua geração

O Rappa Mundi” é cheio de referências ao nosso cotidiano difícil, problemas sociais e que as vezes não se vê uma saída para isso tudo. O impressionante foi a forma que a banda e, principalmente Marcelo Yuka, conseguiu colocar isso de maneira clara nas suas letras, mostrando que seria um dos melhores compositores de sua geração.

Pena que devido a um assalto que sofreu em 09.11.2000, Marcelo Yuka veio a ficar paraplégico após levar um tiro, impedido de tocar bateria e acabou saindo do Rappa. Após problemas com um AVC que teve em 2018, faleceu em 18.01.2019 e deixou uma obra muito importante para a nossa MPB. É um álbum para ser ouvido sempre e servir como referência de boas canções e principalmente composições, característica marcante da banda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *