New Wave com “Business As Usual”, o maior sucesso do MEN AT WORK!

Os anos 80 foram musicalmente incríveis. Foram anos nos quais vários ritmos e movimentos apareceram para o grande público. Um deles foi o New Wave, por muitos chamado de Pós-Punk, com seu estilo bem peculiar, tanto no visual, com suas roupas coloridas, quanto nas músicas, a maioria delas com sintetizadores. Além de letras diferentes, algumas complexas e outras alegres e bem-humoradas. Diversas bandas apareceram de todo canto do planeta e uma delas vindo da Austrália chamaria a atenção de todos: o Men At Work, que em 1981 lançou seu primeiro álbum, “Business As Usual”. Este acabaria se tornando o de maior sucesso comercial da banda e um dos mais vendidos de toda a era New Wave.

Colin Hay (Vocal e Guitarra), Greg Ham (Saxfone, Flauta e Teclados), John Rees (Baixo), Jerry Speiser (Bateria) e Ron Strykert (Guitarra), eram os integrantes da banda e gravaram um álbum cheio de variações musicais, onde se vê desde New Wave, passando pelo Pop Rock num ritmo frenético, com levadas de Reggae. As letras desse disco são bem interessantes, algumas bem complexas até, onde se vê desde aventuras, amor, críticas veladas, viagens, humor e experiências pessoais. São 10 faixas, todas escritas pelos integrantes da banda, em aproximadamente 38 minutos que mostraram a que vinha o Men At Work.

FAIXAS:

  1. “Who Can It Be Now?” (Colin Hay) – 3:25
  2. “I Can See It In Your Eyes” (Hay) – 3:32
  3. “Down Under” (Hay / Ron Strykert) – 3:45
  4. “Underground” (Hay) – 3:07
  5. “Helpless Automation” (Greg Ham) – 3:23
  6. “People Just Love To Play With Words” (Strykert) – 3:33
  7. “Be Good Johnny” (Hay / Ham) – 3:39
  8. “Touching The Untouchables” (Hay / Strykert) – 3:41
  9. “Catch a Star” (Hay)
  10. “Down By The Sea” (Hay / Strykert / Ham / Jerry Speiser) – 6:53

Alguns dos grandes sucessos da banda estão nesse álbum, que abre com “Who Can It Be Now?”, um clássico absoluto e uma das canções mais conhecidas do Men At Work. Sua letra fala uma situação que o vocalista Colin Hay passou em 1981, quando ele morava num apartamento em Victoria (AUS), que era constantemente confundido com outro em que era frequentado por traficantes de drogas. Como muita gente batia à sua porta, Hay ficou nervoso e não mais queria abrir a porta pra ninguém, além disso, ele passava por uma afirmação na carreira musical e não tinha dinheiro pra nada, mais um motivo para ele ter medo de abrir a porta. Ele falou que achava que sempre alguém queria algo dele e ele não tinha nada a dar. A canção foi muito bem nas paradas de sucesso em grande parte do mundo.

Outra canção marcante do álbum é “Down Under”, que até hoje é tocada nas rádios, festas e principalmente na Austrália ela é muito tocada, considerada uma música patriótica e sempre tocada nos principais eventos esportivos. A letra fala de um australiano viajando pelo mundo que conhece pessoas interessadas em conhecer seu país. A história é em parte baseada em fatos reais vividos por Colin Hay e também por um personagem chamado Barry McKenzie, de uma comédia australiana. Gírias e termos de drogas são citados na letra, como na parte que falam de zumbis, seria ao uso de maconha. Hay fala que a intenção da canção era mostrar a Austrália para o mundo, celebrar o país de uma forma simples e sem nacionalismos. O videoclipe da música retrata bem o que diz a letra, segue à risca os versos da canção e é muito engraçado. Um ponto marcante da canção é o trabalho de Greg Ham com seu maravilhoso sax e a famosa linha de flauta, porém, anos mais tarde isso deu muita dor de cabeça à banda, pois em 2010 o Men At Work foi processado devido à linha de flauta usada por Ham nessa canção, que seria plagiada da canção australiana “Kookaburra Sits in the Old Gum Tree”, escrita em 1934 por Marion Sinclair. Como ele morreu em 1988, a Larrikin Music foi a responsável pela ação e após muita discussão, 5% dos royalties, lucros futuros e direitos da música desde 2002 ficaram em favor da companhia. “Down Under” certamente é uma das maiores canções dos anos 80, um verdadeiro clássico. “Be Good Johnny” é uma sátira que fala de um menino de 9 anos de idade que se sente incompreendido por todos e apronta todas por onde passa. O título da música é uma homenagem ao clássico de Chuck Berry, “Johnny B Goode”. Para fechar os hits do álbum temos “Down By The Sea”, uma canção mais leve, mais romântica que as outras do álbum e mostra como a banda tinha um repertório grande, tinha talento, tanto nas composições quanto com seus músicos. Mais uma vez Greg Ham se destaca e mostra que o sax era uma parte fundamental no som do Men At Work. Outras canções de destaque são “Underground” e “Touching the Untouchables”.

A New Wave brasileira com METRÔ e seu icônico “Olhar”.

“Like a Virgin” (1984) é um dos melhores álbuns da Rainha do Pop, MADONNA!

O Men At Work com “Business As Usual” vendeu mais de 15 milhões de cópias mundo afora e no ano de 1982, após ter o álbum lançado nos Estados Unidos sua fama cresceu ainda mais, inclusive chegando a ganhar um Grammy como Artista Revelação em 1983. Depois a banda lançou outros álbuns, mas nenhum tão relevante como esse, além de passar por problemas entre os integrantes e aos poucos cair no esquecimento. Hits como “Who Can It Be Now?” e principalmente “Down Under” marcaram a carreira dos australianos. É um belo disco dentre vários que fizeram sucesso no movimento New Wave, apesar de que a banda também misturava vários elementos nas suas canções, um clássico e deve sempre ser lembrado, RECOMENDO!.

new wave men of work
new wave men of work

3 thoughts on “New Wave com “Business As Usual”, o maior sucesso do MEN AT WORK!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *