Romantismo no rock com “Slippery When Wet”, de BON JOVI.

Os anos 80 foram o auge de várias bandas e também o começo de muitas delas. Quando se fala em rock romântico, uma das bandas mais lembradas é o Bon Jovi, que no seu início em 1983 tocava muito glam metal, hard rock e com o passar dos álbuns foi melhorando suas composições e conseguindo grandes resultados. O sex appeal e talento de seu vocalista e líder, Jon Bon Jovi, sempre foi um dos fatores de muito sucesso do grupo e até os dias de hoje ele é um dos grandes nomes do rock, contribuindo para que a banda se tornasse uma das mais populares do mundo.

Bon Jovi rock
FOTO: GOOGLE

Em 18.08. 1986 o Bon Jovi lançou o seu terceiro disco, “Slippery When Wet, onde claramente há uma melhoria no som da banda e na produção do álbum, com relação aos discos anteriores. O que acabou resultando num sucesso gigantesco tanto nos Estados Unidos quanto no resto do mundo, haja vista que esse disco acabou se tornando o mais vendido do ano de 1987 e é o mais vendido na história da banda com mais de 28 milhões de cópias.

O nome  do álbum “Slippery When Wet”, que significa (escorregadio quando molhado) foi inspirado em strippers numa boate que a banda frequentou em Vancouver, Canadá. As mulheres passavam uma mistura de água e óleo no corpo e isso acabou chamando a atenção da banda, sendo a inspiração para o título. A capa original mostrava uma modelo com seios grandes e uma camiseta molhada com o nome do álbum, mas a gravadora vetou a capa com medo de marketing negativo. Apenas no Japão essa capa foi lançada.

São aproximadamente 44 minutos de hard rock, mas obviamente que o romantismo nas letras foi o carro chefe, sendo uma frequente na carreira do grupo, muito conhecido pelas baladas e letras que falam de amor e relacionamentos. Porém, também vemos letras falando de dificuldades, festa, animação e até de caubói! Algumas letras são bem simples, mas têm uma pegada muito boa e são bem comerciais, facilitando que o grande público gostasse do estilo e som da banda.

 Jon, ao lado de seus amigos Tico Torres (Bateria), David Bryan (Teclados), Alec John Such (Baixo) e Ritchie Sambora (Guitarra), acertaram a mão e se aperfeiçoaram muito em seus instrumentos. É nítida a melhoria nos vocais de Jon, belos riffs e solos de Sambora, que começou a usar mais sua voz como backing vocal nas canções, Bryan conseguindo colocar seus teclados em harmonia com as canções e a “cozinha” feita por Torres e Such tocando bem e sem comprometer, como deve ser em qualquer banda de rock. A banda chegou a compor mais de 30 músicas que foram testadas em shows locais para ver quais delas o público gostaria mais, depois disso selecionaram 10 faixas que foram para o álbum.

FAIXAS:

LADO A

1. “Let It Rock” (Jon Bon Jovi / Ritchie Sambora) – 5:26
2. “You Give Love a Bad Name” ( Jon Bon Jovi / Sambora / Desmond Child) – 3:43
3. “Livin’ On a Prayer” (Jon Bon Jovi / Sambora / Child) – 4:09
4. “Social Disease” (Jon Bon Jovi / Sambora) – 4:18
5. “Wanted Dead Or Alive” (Jon Bon Jovi / Sambora) – 5:09

LADO B

6. “Raise Your Hands” (Jon Bon Jovi / Sambora) – 4:17
7. “Without Love” (Jon Bon Jovi / Sambora / Child) – 3:31
8. “I´d Die For You” (Jon Bon Jovi / Sambora / Child) – 4:31
9. “Never Say Goodbye” (Jon Bon Jovi / Sambora) – 4:49
10. “Wild In The Streets” (Jon Bon Jovi) – 3:56

O primeiro single lançado e grande clássico desse disco é a segunda faixa, “You Give Love a Bad Name”, é uma balada bem rock n´roll, bem estilo Bon Jovi! Com Jon explorando muito a sua voz e muito bem acompanhado de Sambora nos riffs e com um belo solo de guitarra na metade da música, mostrando todo seu talento.

THE BEATLES com o maravilho Abbey Road.

Sir ELTON JOHN e seu best-seller “Goodbye Yellow Brick Road” (1973)

Essa canção foi composta a seis mãos, além de Jon Bon Jovi e Ritchie Sambora, Desmond Child, famoso compositor americano, os ajudou em algumas das canções do disco, tanto que em álbuns seguintes essa parceria continuaria. Essa canção originalmente foi gravada pela cantora americana Bonnie Tyler, mas como Child não gostou muito do resultado, a banda regravou a música e o resultado sendo um dos maiores sucessos na carreira da banda. No Brasil, a canção também foi trilha sonora de um comercial dos cigarros Hollywood, o que ajudou e muito na popularidade do Bon Jovi.

Uma canção com a marca registrada do Bon Jovi é “Livin’ On a Prayer”, lançada como segundo single do álbum, onde algumas das novidades da banda estão bem visíveis, por exemplo, alguns efeitos como o uso do talbox (um dispositivo utilizado para dar um efeito similar a voz em instrumentos musicais, geralmente em guitarras) foi executado por Sambora e fez muito sucesso. Jon inicialmente não queria essa música no disco e foi convencido por Sambora a colocá-la, mas a música foi retrabalhada e novos arranjos foram feitos. Foi uma das canções da banda mais executadas pela MTV, o que ajudou nas vendas do álbum.

A letra fala sobre a visão de duas crianças em relação à vida e suas dificuldades, tendo como base o amor para superar as adversidades. Ela remete à classe trabalhadora e Jon começa a dar nomes, identidade àqueles que ele fala em suas letras. Também foi a primeira canção do grupo no primeiro lugar das paradas de rock da Billboard. É canção obrigatória nos shows da banda e um dos maiores clássicos da história do Bon Jovi.

Uma canção que mostra a mudança no som da banda é “Wanted Dead Or Alive”, num estilo bem country, faroeste, coisas que Jon Bon Jovi adora, e ele faz uma homenagem aos heróis do Velho Oeste nessa música. Outro ponto forte é Ritchie Sambora, que mostra toda sua versatilidade como músico, tocando bem tanto violão quanto guitarra, fazendo mais um belo solo durante a canção, além de contribuir muito bem como backing vocal. O videoclipe, todo em preto e branco, mostra cenas da turnê da banda durante os anos de 1986 e 1987.

O último dos grandes hits é “Never Say Goodbye”, uma balada num estilo bem lento, bem diferente do resto do álbum, que é mais acelerado. Fez sucesso, mas não como as canções anteriores. A letra que é bem passional, as vezes até depressiva, fala de uma desilusão amorosa e Jon dá o tom dramático que a canção precisa, alternando entre vocais doces e rasgados. No Brasil ela ficou bem conhecida por ter feito parte da trilha sonora da novela Mandala (1987) da Rede Globo, caindo nas graças do público. Nos Estados Unidos é uma canção muito usada em bailes de formatura, inclusive há um trecho da letra que fala em bailes.

Outras canções interessantes são “Let It Rock”, Glam Rock puro, onde os teclados de David Bryan se destacam e a canção varia de um progressivo no seu início até glam no resto da canção e “I’d Die For You”, uma balada e bem anos 80, pois naquele período as bandas de rock eram excelentes em fazer baladas.

“Sliperry When Wet” é um álbum divisor de águas na carreira do Bon Jovi, foi com ele que a banda se estabeleceu a nível mundial. Saindo de uma boa banda para uma das maiores do mundo, mesmo tendo perdido dois dos músicos desse trabalho, o baixista Alec John Such e principalmente o grande guitarrista, backing vocal e parceiro de composições, Ritchie Sambora, que ao meu ver após sua saída o Bon Jovi perdeu muito.

Vale muito a pena ouvir esse clássico do glam metal, pois o Bon Jovi é uma das bandas que melhor sintetiza esse estilo romântico no rock.

3 thoughts on “Romantismo no rock com “Slippery When Wet”, de BON JOVI.

  • em
    Permalink

    Slippery When Wet é sem dúvida um ótimo disco do Bon Jovi, mas pra mim só perde para seu sucessor New Jersey (1988).

    Resposta
    • em
      Permalink

      Sim, ambos ótimos. Ainda fico com o Slippery… até o These Days (1995) curtia muito, depois nem tanto.

      Resposta
      • em
        Permalink

        Para mim a trinca sagrada do Bon Jovi é formada por Slippery, New Jersey e Keep the Faith (1992), já que com These Days (1995) começou a praga da saída de alguns integrantes, algo bem comum na maioria das grandes bandas do mundo.

        Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *