AC/DC transforma luto em sucesso com “Back In Black” (1980)

Os anos 70 foram fundamentais para o Rock N’ Roll. Nesse período o ritmo se popularizou pelo mundo todo e surgiram grandes bandas. Uma delas foi a australiana AC/DC, fundada pelos irmãos escoceses Angus e Malcolm Young, A banda iniciou suas atividades em 1973. Trazia um som mais pesado, com muitas de suas letras falando de mulheres, bebida, carros, curtição, festas e até algumas satânicas, o que lhes deu muito problema em dado momento.

Durante essa década eles lançaram vários discos com muito sucesso de crítica e público. Estavam preparados para entrar de cabeça nos anos 80, até que um fato mudou tudo. O carismático e talentoso vocalista Bon Scott morreu em 19.02.1980 e isso devastou a banda, que já estava desenvolvendo seu álbum seguinte. Por um momento a banda quase acabou e após muita reflexão eles decidiram seguir em frente, recrutando outro vocalista. Após algumas audições o escolhido foi o inglês Brian Johnson.

Superado o baque da perda de Scott, eles lançaram em 25.07.1980 aquele que seria considerado sua obra-prima e um dos discos mais importantes da história do rock, “Back In Black”. O sétimo álbum de estúdio da banda, que veio carregado de homenagens ao amigo Bon Scott, a começar pelo nome do disco, passando pela lendária capa toda preta em sinal de luto pela morte do companheiro e todas as letras têm tudo a ver com Scott.

Não foi nada fácil para Johnson ter que substituir um vocalista como Bon Scott. Ele sentiu isso durante as gravações do álbum que foram feitas nas Bahamas. No começo ele teve dificuldade em se enturmar com o resto da banda, mas aos poucos foi se adaptando e o resultado foi um ótimo disco. Aparecia ali mais um grande vocalista que seria um dos grandes na história do rock.

“Back In Black” tem 10 faixas em aproximadamente 42 minutos do mais puro rock n’ roll e mostrou que a banda estava muito bem após a tragédia que se abateu sobre ela. As letras falam basicamente do que a banda mais gostava de falar naqueles tempos: rock n´roll, mulheres, festa, diversão, bebida e até satanismo, mas com espaço para demonstrar o luto pelo amigo.

Além dos irmãos Angus Young (Guitarra Principal) e Malcolm Young (Guitarra Base), a banda contava com Phil Rudd (Bateria), Cliff Williams (Baixo) e Brian Johnson (Vocais). Todas as letras foram compostas pelos irmãos Young e Brian Johnson.

AC/DC Back In Black
FOTO: GOOGLE.

FAIXAS:

LADO A

1. “Hells Bells”
2. “Shoot To Thrill”
3. “What Do You Do For Money Honey”
4. “Given The Dog a Bone”
5. “Let Me Put My Love Into You”

LADO B

1. “Back In Black”
2. “You Shook Me All Night Long”
3. “Have a Drink On Me”
4. “Shake a Leg”
5. “Rock And Roll Ain’t Noise Pollution”

Esse álbum é quase uma coletânea de sucessos da banda, por isso vamos focar nas mais conhecidas e de maior sucesso. O álbum já abre em grande estilo e mostra de cara uma homenagem ao amigo Bon Scott, “Hells Bells”, com sua introdução famosa pelos sinos já mostra o significado que essa canção tem, mostrando todo o clima de homenagem. A letra que tem citações satânicas chegou a ter alguma controvérsia, mas acabou se tornando um dos clássicos da banda. Aqui de cara já dá pra perceber como Brian Johnson se encaixou perfeitamente no AC/DC, com seu timbre de voz único e bem desenvolto ao lado do resto da banda. Já a guitarra é um caso a parte, Angus Young já dá seu cartão de visitas com belos solos e ao lado do irmão e riffmaker, Malcolm, dão o tom ideal para a canção.

“Shoot To Thrill” é outro petardo do disco, bem acelerada e mostra a intensidade da banda e como Malcolm foi fundamental com seus riffs. É mais uma das letras da banda que fala de mulheres, relação sexual e agitação. Mesmo com todo o sucesso da canção, ela ganhou ainda mais fama em 2010 quando foi lançada como trilha sonora do filme Iron Man 2 (Homem de Ferro 2) e a banda ganhou ainda mais fãs mundo afora.

Logo em sequencia vem sem dúvidas o maior sucesso do álbum, um dos maiores hits da carreira do AC/DC e uma das canções mais importantes da história do rock, a faixa título “Back In Black”, com seu lendário riff de guitarra, criado antes mesmo da canção. É mais uma homenagem ao amigo Bon Scott e na canção existem alguns versos bem claros sobre isso. Foi uma junção incrível da banda, com todos trabalhando em perfeita harmonia e com destaque novamente para Brian Johnson que foi maravilhoso e Angus Young que mostrou porque é um dos melhores guitarristas de todos os tempos, dando show em solos de tirar o fôlego. Talvez seja a música mais conhecida da banda e um verdadeiro clássico do rock. Lendária canção.

“Blood Sugar Sex Magik” (1991), obra-prima do RED HOT CHILI PEPPERS!

“(What´s The Story) Morning Glory?” (1995) a obra prima do OASIS!

 Criar riffs de guitarra seguidos de bateria no começo das canções sempre foi uma marca do AC/DC e com “You Shook Me All Night Long” não foi diferente, aqui Brian Johnson mostra logo de cara algumas coisas que adora e colocou nessa letra, mulheres e carros. Tanto que no primeiro verso da música ele já fala disso: “She was a fast machine she kept her motor clean” (Ela era uma máquina veloz ela mantinha o motor limpo). Foi o primeiro single lançado do disco e logo caiu nas graças do público, que adora essa canção. É uma daquelas obrigatórias em shows da banda.

 Outras canções de destaque são “Have a Drink On Me”, que é mais uma dedicada à Scott, que só pelo seu título já deixa bem claro como era o padrão Bon Scott de vida: Bebidas, mulheres, farra e alegria. Outra canção importante é “Rock N’ Roll Ain’t Noise Pollution”, um verdadeiro hino ao rock n’ roll, que começa num jeito diferente das outras canções, mais lenta, quase um blues e mostra porque o rock nunca vai morrer, porque é um estilo de vida.

Falar de “Back In Black” é falar da história, é falar do álbum de rock mais vendido de todos os tempos, com cerca de 50 milhões de discos e de uma tragédia que virou sucesso, mesmo após a perda do amigo e vocalista Bon Scott, a banda deu a volta por cima e ressurgiu apostando num novato que veio e deu conta do recado, Brian Johnson e seu vocal único, deram nova vida à banda que parecia acabada depois dessa perda. Até hoje esse disco é amado pelos amantes do rock e será eternamente lembrado como um dos mais importantes da história da música, não só pelos milhares de álbuns vendidos, mas pelo estilo que é único da banda, tanto que até os dias de hoje o AC/DC nunca mudou seu estilo de tocar, sempre fiel ao puro rock n’ roll e por isso é amado como poucos na história do rock.

3 thoughts on “AC/DC transforma luto em sucesso com “Back In Black” (1980)

  • em
    Permalink

    O disco mais vendido comercialmente (já passou da marca de 60 milhões em todo o mundo) e musicalmente falando, o trabalho mais bem-acabado do AC/DC. Com certeza o melhor dos australianos!

    Resposta
    • em
      Permalink

      Esse aí é fantástico! Não à toa o mais vendido da história do rock.

      Resposta
      • em
        Permalink

        “Fantástico” é pouco para definir esta pérola preciosíssima do rock mundial! Back in Black com certeza merece todos os elogios!

        Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *